BLOG PRATICAL ONE

Por uma logística mais integrada, transparente e eficaz.

Navios Panamax, o novo alvo da cabotagem brasileira

Ao completar a renovação de sua frota de navios de cabotagem em setembro último, a Aliança Navegação e Logística, importou,  além dos quatro navios de 3.800 teus anunciados em meados de 2013, mais dois navios Panamax de 4.800 teus. BARTOLOMEU_DIAS_MarTraffic

É sem dúvida um passo audacioso do armador. Erguer a barra da competição  do mercado de produtos manufaturados de cabotagem no Brasil: o transporte em contêineres. Há mercado para tudo isso, sem dúvida, a questão é o tempo para converter mais e mais novos clientes para este modal. No caso da Aliança é fator importante converter parte do espaço disponível em serviços feeder para os navios de longo curso do próprio grupo Hamburg Sud ou para outros armadores.

Outro aspecto importante a notar com o novo patamar de navio,  é a vantagem em termos de custo unitário para transportar cada contêiner . Os outros dois operadores de cabotagem, a Mercosul Line e a Log-In Logística, com navios entre 2.500 teus e 2800 teus terão mais dificuldades para obter margem similar à da Aliança.

O novo canal do Panamá está previsto para entrar em operação no início de 2016 elevando o tamanho do navio NewPanamax para 12.500 teus e 366 metros de comprimento. Com isso, os navios Panamax atuais, que tem seu limite máximo em embarcações como  o Bartolomeu Dias da Aliança, se tornarão cada vez mais disponíveis e,  provavelmente a custos relativos mais baixos no mercado.

A exemplo das dificuldades da Log-In com o estaleiro EISA, as dificuldades para a construção de navios  conteineiros no Brasil são notáveis. Não é por nada que em 2008 a Mercosul  Line decidiu abrir o caminho da importação dos seus três navios de 2.500 teus e vimos a Aliança fazer a renovação da sua frota com navios importados também.

Por que inventar a roda se ela está pronta?

A Aliança está executando o caminho da competitividade na cabotagem. É um mercado difícil, extremamente burocrático e caro de operar. No entanto, o Brasil da sustentabilidade logística, precisa muito mais navios de 4.800 teus na cabotagem. Para os de menor envergadura no modal, acompanhar a ousadia da líder é talvez um passo maior do que a perna. Mas, juntar forças operacionais, a exemplo do que a navegação de longo curso faz com maestria, isso está ao alcance do setor.